O Mundo do Software Livre muito além do Linux! (Notícias e Dicas)

Aúncio


quarta-feira, dezembro 31, 2008

Agência Brasil - Setor de informática teve bom desempenho no ano, diz empresário - Tecnologias

 
29 de Dezembro de 2008 - 16h43 - Última modificação em 29 de Dezembro de 2008 - 17h09


Setor de informática teve bom desempenho no ano, diz empresário

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Rio de Janeiro - O ano de 2008 foi bom para o setor de informática, com grandes investimentos, bom fluxo de negócios e volume de recursos que possibilitou o desenvolvimento do setor. A análise foi feita à Agência Brasil pelo presidente do Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro (Seprorj), Benito Paret.

“Teve, por um lado, negócios, e, por outro lado, também teve recursos que foram proporcionados pelas linhas de financiamento do governo federal, principalmente através da Financiadora de Estudos e Projetos [Finep], com o programa de subvenção, com os editais dos fundos setoriais. Tudo isso injetou um volume importante de recursos, especialmente para os projetos de inovação das nossas empresas”, relatou.

Embora ainda não tenha feito prognósticos para o ano de 2009, por não poder prever quais serão os efeitos da crise internacional, Paret analisou que o setor, no estado do Rio, sofrerá um impacto menor, em função dos investimentos já programados e que deverão ter continuidade. “Podem desacelerar um pouco, mas não tanto que chegue a afetar significativamente a atividade no estado. Eu creio que há uma oportunidade importante  para o mercado interno e as nossas empresas terão capacidade de investir”, sinalizou.

Para o setor de Tecnologia da Informação, o presidente do Seprorj disse que o principal desafio a ser superado é a falta de confiança do setor na sua própria capacidade. “Eu, às vezes, fico com a impressão de que o pessoal tem uma certa falta de determinação de enfrentar o desafio que vem pela frente. Acho que coragem é algo importante para enfrentar as oportunidades que vão se apresentar”, constatou.

Paret se queixou da pesada carga tributária e dos juros elevados que, para ele, funcionam como entraves ao desenvolvimento do setor, mas afirmou que a pior dificuldade “é quando você não tem negócio. Quando você tem negócio, reclama porque paga muito caro, mas vai sobrevivendo. Isso é o fundamental: ter negócio, ter oportunidade, apoio e reconhecimento da importância do nosso setor para a economia nacional”.

 

 

 




 


Agência Brasil - Setor de informática teve bom desempenho no ano, diz empresário - Tecnologias

 



 

 

 

 







Agência Brasil - Crise abre novas oportunidades para empresas de tecnologia da informação - Tecnologias

 
29 de Dezembro de 2008 - 17h05 - Última modificação em 29 de Dezembro de 2008 - 17h05


Crise abre novas oportunidades para empresas de tecnologia da informação

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Rio de Janeiro - A crise financeira internacional, que abalou grandes setores econômicos brasileiros, como o automobilístico e da construção civil, pode abrir novas perspectivas para empresários de Tecnologia da Informação na opinião do presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação, seção Rio de Janeiro (Assespro/RJ), Cláudio Nasajon.

“Essa crise tem uma parte boa, porque nós, empresas de  TI [Tecnologia da Informação], fazemos soluções para melhoria de produtividade de outras companhias”, disse.

Recordando a premissa de que produtividade significa produzir mais com menor custo, Nsajon afirmou que qualquer que seja a solução de TI, desde uma simples planilha eletrônica até um software (programa de computador) de gestão, o sistema contribui para aumentar a produtividade.

“Se você está numa crise, as empresas devem procurar soluções para aumento de produtividade. Então, eu vejo para nós, lamentavelmente por causa da crise, uma ótima oportunidade para expandirmos nossos horizontes empresariais.”

Para Nasajon, o governo está, acertadamente, investindo em empreendedorismo. Ele acredita que os programas de incentivo a novas empresas do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vão aumentar o número de empresas iniciantes que, certamente, trarão soluções inovadoras.

“O que acontece, agora, é que, com essa crise, os grandes investidores deram uma segurada. Não porque ficaram pobres, mas porque ficaram psicologicamente abalados. Isso abre uma oportunidade para o pequeno investidor, que pode entrar com capital-semente e o colocar em empresas  de inovação que têm um potencial de crescimento grande, principalmente porque, agora, estão amparadas por todos esses projetos governamentais de empreendedorismo”, analisou.

Ele lembrou, ainda, que o setor de Tecnologia da Informação é um dos setores inovadores por sua própria natureza. Segundo Nasajon, o Brasil é destaque tanto na  produção de soluções criativas de tecnologia como em termos de consumo. Ao contrário da Índia, o país consome 80%  da produção de softwares. "O mercado interno de TI é muito forte. E isso dá ao país uma boa blindagem contra a crise.”

Cláudio Nasajon admitiu que as empresas que exportam  mão-de-obra devem sofrer, no entanto, um pouco, perdendo competitividade, devido à valorização do dólar. Em compensação, o mercado interno brasileiro vai suprir essa perda de competitividade externa. “O Brasil é muito forte em desenvolvimento”.

Nasajon sugeriu que em vez de  investir em empresas que  terceirizam mão-de-obra para competir com a Índia ou a China, o governo brasileiro deveria  incentivar o desenvolvimento de exportação de tecnologia.

“Eu quero concorrer com Israel. Eu quero ser comparado a um dos países que desenvolvem mais tecnologia e não aos que exportam mão-de-obra, por ser mais barata aqui do que nos Estados Unidos. E nós temos um potencial enorme para isso. Essa é a bandeira que a Assespro defende”, disse.

 



Agência Brasil - Crise abre novas oportunidades para empresas de tecnologia da informação - Tecnologias

 



 

 

 

 







segunda-feira, dezembro 29, 2008

Paz, saúde e prosperidade

2009 Merry_Christmas_2007_by_DigitalPhenom

Desejo a você um Feliz Natal e que 2009 seja repleto de realizações e conquistas.

Um abraço e Boas Festas,ferias

 

 

Raphael Simões Andrade







sábado, dezembro 27, 2008

Agência Brasil - Especialista alerta sobre aumento do número de crimes pela internet - Internet

 
26 de Dezembro de 2008 - 08h03 - Última modificação em 26 de Dezembro de 2008 - 09h48


Especialista alerta sobre aumento do número de crimes pela internet

Akemi Nitahara
Repórter da Rádio Nacional

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Brasília - O Brasil é recordista em número de crimes cometidos pela internet. Mais de 17 mil já foram julgados pela Justiça, fora os inúmeros problemas que nem chegam ao Judiciário.

O alerta é do advogado Renato Ópice Blum, especialista em crimes digitais e fundador da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico. De acordo com ele, o uso de novas tecnologias traz benefícios para as pessoas, mas também permite o aumento do número de crimes eletrônicos, como calúnia, difamação e instalação de programas espiões.

"A prática  elevada de fraudes, envolvendo aí desvio de dinheiro, com a instalação de programas espiões, induzindo os internautas a erro, naquelas armadilhas, nos e-mails falsos; acabam acessando sites fraudados, e a partir daí, sem querer, muitas vezes acabam revelando seus dados sigilosos, como login, como senha. A partir daí, os crackers, que são os hackers com objetivos maléficos, acabam utilizando esses dados, não só nesse ponto para transações financeiras, mas para enviar e-mails em nome de outras pessoas, ofender terceiros, inclusive.

O advogado cita também o vazamento de informações, que caem na internet, e explica que depois é muito difícil retirar esse conteúdo do ar. Para Renato Blum, é preciso adaptar a legislação para punir os criminosos da rede.

"Nós temos aí 95% de cobertura da legislação para crimes eletrônicos. Dentro desses 95%, 70% apenas de uma boa cobertura, por exemplo, no caso de um crime contra a honra, uma difamação, a pessoa que comete esse ilícito pode estar sujeita a uma pena máxima de dois anos, dois anos e meio; uma pena dessa não coloca ninguém na cadeia, porém, o potencial de uma ofensa cometida pela internet expondo a pessoa, a honra da pessoa ao mundo inteiro, é muito elevado, que talvez justifique sim o encarceramento.

Para evitar problemas que começam no mundo virtual e atrapalham a vida real, é necessário educar os internautas, que precisam ter precaução. "Essa pessoa tem que saber, tem que ser alertada de que existem riscos, tem que tomar algumas cautelas, tem que ter algum programa que dê o mínimo de segurança, um antivírus e, acima de tudo, nós todos devemos ter muito bom senso, evitar clicar em links que costumamos receber por e-mail, em vez de clicar no link da loja, vamos lá escrever o endereço da loja ali na janelinha do navegador, vamos tomar cuidado com e-mails com promessas mirabolantes, não só e-mails, torpedos por celular também.

O especialista em crimes eletrônicos lembra que não existe 100% de segurança na internet. A dica é usar as novas tecnologias com cautela, ler o manual de instruções do celular e dos programas de computador e só acessar sites confiáveis.

De acordo com uma empresa especializada em marketing online, as vendas pela internet devem crescer 50% em 2008, em relação ao ano passado.



 


Agência Brasil - Especialista alerta sobre aumento do número de crimes pela internet - Internet

 



 

 

 

 







terça-feira, dezembro 23, 2008

Agência Brasil - Mesmo com crise financeira, comércio espera aumento de vendas neste natal - Internet

 
21 de Dezembro de 2008 - 12h37 - Última modificação em 21 de Dezembro de 2008 - 15h10


Mesmo com crise financeira, comércio espera aumento de vendas neste natal

Lourenço Canuto
Repórter da Agência Brasil

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Brasília - O movimento nos shopping centers e nas feiras das grandes capitais ainda não registra retração neste mês, apesar do cenário de incertezas na economia, decorrente da crise financeira internacional. Ao contrário, o que o comércio espera, no final do mês, é um balanço com resultados positivos em comparação com o mesmo período do ano passado.

O impacto do pagamento do 13º salário a partir de novembro injetou na economia brasileira R$ 78 bilhões, o que, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), dá margem ao aumento de vendas. Em outubro, houve retração geral de 8% no setor em relação a setembro, conforme levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que atribuiu o fenômeno ao início da retração na oferta de crédito.

De acordo com o Dieese, a entrada do 13º salário na economia representa 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma das riquezas produzidas no país durante o ano. O levantamento do IBGE mostra que as vendas de automóveis caíram, isoladamente, 19% em outubro e que não houve recuperação em novembro. No entanto, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de carros, decidida no último dia 11 pelo governo, deverá favorecer o aumento de vendas no setor a partir deste mês.

Outra opção para o consumidor é comprar pela internet. Os preços podem ser bem reduzidos e os produtos saírem por até 30% menos do que no comércio tradicional. O Procon de São Paulo alerta, porém, para os cuidados necessários para garantir a entrega da compra.

Segundo o Procon-SP, deve-se evitar, nesta época, comprar coisas fazendo experiência, pois pode haver dificuldade na hora de trocar o produto. A empresa deve assumir compromissos por escrito quanto às suas responsabilidades no que diz respeito ao prazo de entrega e à garantia do produto.

De acordo com pesquisa feita pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), 60% dos consumidores ouvidos na capital pretendem dar presentes neste Natal, contra 66% em dezembro do ano passado. O preço médio dos presentes subiu de R$ 46, em 2007, para R$ 93,30 neste ano. Os itens mais procurados são peças de vestuário e calçados (com 61% das opções), Brinquedos representam 34% das escolhas e, em seguida, vêm perfumes e cosméticos, com 13%.



 


Agência Brasil - Mesmo com crise financeira, comércio espera aumento de vendas neste natal - Internet

 



 

 

 

 







Agência Brasil - Uso de computadores em micro e pequenas empresas aumentou mais de 400% em dez anos - Internet

 
21 de Dezembro de 2008 - 13h30 - Última modificação em 21 de Dezembro de 2008 - 13h30


Uso de computadores em micro e pequenas empresas aumentou mais de 400% em dez anos

Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Brasília - Em dez anos, o uso de computadores entre as micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras aumentou mais de 450%. Segundo pesquisa do Observatório das Micro e Pequenas Empresas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP), a proporção atual é de 75% – em 1998, era de apenas 16%. Das empresas que dispõem de computador, 71% acessam internet, dez vezes mais do que há dez anos. Já o uso de celular passou de 42% para 91%.

O estudo As Tecnologias de Informação e Comunicação nas MPEs Brasileiras foi feito em 4.004 micro e pequenas empresas de todas as regiões do país e buscou rastrear a utilização dessas tecnologias pelos empresários de pequenos negócios. Entre as empresas pesquisadas, 60% atribuem “grande importância” ao uso de microcomputador no negócio, 56%, ao celular, e 51% à internet.

“A pesquisa mostra o grande avanço feito pelas empresas para acessar informações e fazer dos instrumentos de comunicação um importante aliado para sua competitividade. Do padeiro e da cabeleireira até o consultor de grandes empresas, verificamos que o acesso à informação tornou-se indispensável em um mundo com transformações cada vez mais rápidas”, disse o superintendente do Sebrae-SP, Ricardo Tortorella.

De acordo com o estudo, a região com maior grau de informatização é a Centro-Oeste, onde 85% das micro e pequenas empresas têm computador. Depois vêm o Sudeste e o Norte, que, juntos, apresentam índice de 76%; o Sul, com 73%; e o Nordeste, com 71%. O estado de Mato Grosso apresenta o grau mais elevado, 89%.

O coordenador da pesquisa, Marco Aurélio Bedê, atribui a liderança dos estados do Centro-Oeste no uso de computadores ao forte processo de crescimento econômico ocorrido nos últimos anos na região. “A maioria das empresas ali criadas existe há bem menos tempo, tendo sido constituídas em um momento em que o acesso a equipamentos de informática se tornou mais fácil. Uma boa parte dessas empresas viveu o processo de informatização junto com o próprio processo de constituição.”

A pesquisa também perguntou onde e como os empresários acessam a internet. Dos 60% que acessam a rede mundial de computadores dentro da empresa, 51% têm banda larga. Para 39%, o acesso é feito na própria casa, sendo 33% por banda larga.

O principal serviço usado é o e-mail, para 64% das empresas consultadas. Cerca de 11% dos empresários entrevistados já fizeram algum curso pela internet, e a maioria (84%) avaliou o aprendizado como útil. Mais da metade (54%) disseram ter interesse em fazer cursos pela rede mundial de computadores.





 


Agência Brasil - Uso de computadores em micro e pequenas empresas aumentou mais de 400% em dez anos - Internet

 



 

 

 

 







quarta-feira, dezembro 17, 2008

Agência Brasil - Plataformas para transmitir sinal digital das TVs públicas serão integradas - Tecnologias

 
16 de Dezembro de 2008 - 19h48 - Última modificação em 16 de Dezembro de 2008 - 22h41


Plataformas para transmitir sinal digital das TVs públicas serão integradas

Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Brasília - O ministro das Comunicações, Hélio Costa, deve assinar nos próximos dias norma regulamentando a implantação de plataforma integradas de transmissão de sinal das TVs públicas no formato digital. Essa foi a expectativa manifestada hoje (16) pela diretora-presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), Tereza Cruvinel, durante o seminário TV Digital no Brasil, realizado na Câmara dos Deputados.

TV Brasil, TV Câmara, TV Senado, TV Justiça, Canal Educação, Canal Cidadania e Canal de Cultura poderão, dessa forma, reduzir custos e acelerar a implantação do sistema público de TV digital”, disse a jornalista. “Caberá à EBC operar a plataforma unificada, após licitar a empresa executora dos serviços”, completou.

Tereza Cruvinel destacou os aspectos complementares das TVs comerciais e públicas: “Ao contrário das TVs comerciais, preocupadas em não dividir o alcance publicitário, as públicas vão oferecer multioperações, dividindo seus megahertz em quatro canais.”

A TV Brasil, segundo a presidente da EBC, terá uma situação diferenciada, porque crescerá apenas no modelo digital e, nas cidades onde ainda não possui canais, nascerá em canal digital sem ter de atuar com as duas tecnologias. Ela informou que em todo o Brasil “há uma certa ansiedade para que as coisas aconteçam rapidamente”, tanto para a implantação da TV pública como para a consolidação da TV digital.

Para o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Ronaldo Sardenberg, a perspectiva é de que o cronograma seja cumprido. “Há inclusive a possibilidade de ele ser adiantado”, disse Sardenberg, ao final da participação no seminário.

“Nossas projeções indicavam que o número de equipamentos vendidos em 2008 seria de 120 mil unidades. Fomos surpreendidos, porque hoje temos um mercado que supera o dobro do esperado”, afirmou o secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, Roberto Pinto Martins. 

O decreto que criou TV digital no Brasil prevê que até 2016 não existirão mais canais analógicos no país.



 


Agência Brasil - Plataformas para transmitir sinal digital das TVs públicas serão integradas - Tecnologias

 



 

 

 

 







terça-feira, dezembro 16, 2008

Agência Brasil - Versão para teste do Programa Imposto de Renda 2009 está no site da Receita - Internet

 
15 de Dezembro de 2008 - 10h30 - Última modificação em 15 de Dezembro de 2008 - 10h30


Versão para teste do Programa Imposto de Renda 2009 está no site da Receita

Daniel Lima
Repórter da Agência Brasil

 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Brasília - A Receita Federal liberou a versão de teste do Programa Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2009 para que os usuários possam conhecer com antecedência o aplicativo e apresentar críticas ou sugestões.

No caso do programa do Imposto de Renda, o uso das versões de teste permite aos interessados fazer simulações da declaração antes do prazo, que deverá ser enviada depois na versão final.

O programa IRPF2009 pode ser usado em qualquer sistema operacional (Microsoft, Linux etc.) desde que o contribuinte tenha instalado no computador a Máquina Virtual Java (JVM), versão 1.4.1 ou superior.

Para obter o programa, basta acessar o site da Receita Federal, sendo a versão disponibilizada em dois arquivos, um para Windows e outro para os demais sistemas operacionais.



 


Agência Brasil - Versão para teste do Programa Imposto de Renda 2009 está no site da Receita - Internet

 



 

 

 

 







quinta-feira, dezembro 11, 2008

Agência Brasil - Biblioteca Nacional de Brasília será inaugurada hoje - Internet

 
11 de Dezembro de 2008 - 08h05 - Última modificação em 11 de Dezembro de 2008 - 08h05


Biblioteca Nacional de Brasília será inaugurada hoje

Da Agência Brasil


 
envie por e-mail
imprimir
comente/comunique erros
download gratuito

Brasília - O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, o arquiteto Oscar Niemeyer, o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, e o secretário de Cultura, Silvestre Gorgulho, inauguram hoje (11), às 18h30, a Biblioteca Nacional de Brasília.  Na ocasião, será assinado termo de cooperação entre os Ministérios da Ciência e Tecnologia, da Educação e da Cultura e o Governo do Distrito Federal para garantir o funcionamento da instituição..

Após a assinatura do acordo, autoridades, jornalistas e o público em geral vão conhecer os serviços disponíveis no local.

A Biblioteca Nacional de Brasília, a primeira grande unidade de língua portuguesa do século 21, pretende ser uma referência em oferta de serviços digitais para a população.
 
A instituição fica aberta ao público das 9h às 21h. Os visitantes terão acesso à internet, com 51 computadores, a um centro de produção digital, onde poderão editar vídeos ou desenvolver websites, e a salas de treinamento para capacitação digital. Haverá ainda um espaço infantil, para alfabetização digital de crianças.



 


Agência Brasil - Biblioteca Nacional de Brasília será inaugurada hoje - Internet