O Mundo do Software Livre muito além do Linux! (Notícias e Dicas)

Aúncio


segunda-feira, fevereiro 28, 2011

PSL-Brasil - Venezuela: Software Libre en el debate político - Software Livre

Suggest an article
Venezuela: Software Libre en el debate político February 22, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 233 times
 Go back to Governos

Las últimas semanas se han venido realizando debates interesantes sobre lo que representa el uso del software como elemento indispensable para el acceso de las Tecnologías de Información y Comunicación (TIC), como parte de la polémica que el camarada Mario Silva en su programa de la Hojilla del pasado 03 de febrero desató en la comunidad de Software Libre.

Lo importante de que ocurriera esta situación es que elevó la discusión exclusivamente técnica hasta el momento a un plano político ideológico sobre un tema que es absolutamente fundamental para el desarrollo científico-tecnológico del país en relación a la soberanía e independencia nacional.

Por una parte cabe destacar que no puede parecernos indiferente si una persona usa o no software libre, porque partiendo del hecho que la tecnología no es neutra no sólo en su uso sino en su creación, debe entenderse que el software privativo está representado por uno de los máximos representantes de imperio: Microsoft; que no sólo pretende por una parte generar un monopolio casi universal, sino que además cercena la capacidad de creación y el acceso al conocimiento.

Partiendo de la premisa de Rafael Palacios Bustamante quien afirma que: “El análisis de la brecha tecnológica ha generado una diferenciación del modelo de desarrollo basado en el conocimiento: la sociedad del conocimiento y la sociedad democrática del conocimiento”, donde “La articulación ciencia – ciudadanía exige por lo tanto, de la comprensión misma de la C-T, lo que equivale -tomando las palabras de Mario Albornoz- a un tipo de conciencia social acerca del sentido o la dirección de producción de conocimiento”, cabe destacar que el software libre constituye un elemento de carácter social que no sólo contrapone los ideales egoístas y dominantes de la producción de conocimiento capitalista sino que además da plenas libertades para apropiarse socialmente del conocimiento.

Sobre esta base también es cierto que aunque ha sido difícil conseguir hasta la fecha la migración a software libre en la administración pública no es menos cierto que se han dado pasos gigantescos que hoy permiten dar cuenta de una gestión en la materia que resulta altamente positiva y que ha permitido invertir los recursos que anteriormente se destinaban a compra de licencias software en adquisición de nuevos equipos para infocentros, centros bolivarianos de informática y telemática, centros de gestión parroquial o al mismo proyecto canaima educativo.

El software libre otorga libertad absoluta en el acceso al conocimiento al permitir usarlo, estudiarlo o distribuirlo pero por otra parte genera una nueva producción de conocimiento al permitir modificarlo, elementos nada despreciables en comparación con el software privativo que impone no sólo restricciones de acceso y uso sino condiciones para la generación de nuevos conocimientos.

Por allí vale la pena destacar que en el acalorado debate se ejemplificó el caso del “Ché” Guevara utilizando armamento norteamericano contra el imperio, cuya respuesta por parte de la comunidad de software libre fue que jamás se vio al mismo “Ché” promocionando el uso de armas de fabricación estadounidense en televisión, sin embargo yo voy un poco más allá pues creo que la promoción de armas cuyo contexto ideológico tienen como único fin la muerte, bajo ningún caso deberían ser promocionadas por quienes comparten un nuevo proyecto político.

Así que el debate es ideológico, por tanto no sólo podemos hablar de su uso como si fuera un mero problema funcional, es necesario discutirlo de forma estructural para poder entender que el software propietario fue hecho bajo una concepción completamente distinta a la que fue realizada el software libre, entendiéndose este último como un trabajo colectivo sobre el cual cada uno de los integrantes del proceso revolucionario debe formar parte en la lucha contra los poderes hegemónicos que sueñan con una guerra informática que garanticen el control de la sociedad.

"La libertad no es poder elegir entre unas pocas opciones impuestas, sino tener el control de tu propia vida. La libertad no es elegir quien será tu amo, es no tener amo". Richard Stallman

nortega16232@gmail.com

www.masrevolucion.blogspot.com

* fonte: SomosLibres.org


PSL-Brasil - Venezuela: Software Libre en el debate político - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - BrOffice: Depoimento de um Japa – um caso de amor com a comunidade - Software Livre

Suggest an article
BrOffice: Depoimento de um Japa – um caso de amor com a comunidadeFebruary 22, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 140 times
 Go back to Comunidade

http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSlXT1QxvTh6HGlYwYk8waSJ7sJiPIwiDOrICFfDIbuS2b_9jhLxw

Trabalho com Software Livre desde 1999, comecei com RedHat ainda quando morava no Japão, passei por Turbo Linux, Conectiva, Kurumin, Ubuntu e atualmente uso Debian. Em 2004, durante uma edição do SUCESU-MT, conheci Claudio Ferreira Filho, então residente na cidade de Rondonópolis.

Naquela época eu já utilizava um pacote de escritório chamado OpenOffice, creio que a versão era 1.3, provavelmente. O que eu descobri naquele dia, foi que eu estava diante da pessoa que compilou o OpenOffice em pt-br e criou a comunidade brasileira do pacote, que mais tarde daria origem à ONG BrOffice.org.

A criação da ONG, idealizada por Claudio, tinha como objetivo fomentar, incentivar e apoiar as ações da comunidade e seus projetos. Um desses projetos, também idealizado pelo Claudio, é a Revista BrOffice.org.

Há alguns meses comecei a colaborar com a revista e tudo ia muitíssimo bem, com os demais membros trocando informações de forma transparente, utilizando Wiki, listas e sempre primando pelo compartilhamento de informações e pela tomada de decisões em equipe.

Entretanto, de algumas semanas pra cá, algumas decisões começaram a ser tomadas de forma absolutamente arbitrária por umas 3 pessoas. Trabalhos que eram discutidos na lista passaram a ser “delegados” em PVT. Pior, o resultado desses trabalhos eram solicitados também em PVT, e começamos a ser “orientados” para não entregar diretamente na lista, em aberto, como sempre fazíamos.

Tal atitude começou a me incomodar, mas confesso que achei que fazia parte de alguma estratégia de aceleração dos trabalhos, por conta do lançamento do novo portal pt-br.libreoffice.org. O que eu não sabia era que outros colegas estavam tendo a mesma sensação estranha de “usurpação”.

Bem, o resto vocês já devem ter lido em outros posts do Blog. O que defendo aqui e em qualquer outro lugar, é a soberania da comunidade. O compartilhamento irrestrito do conhecimento livre. A auto-gestão descentralizada e comunitária. E a absoluta desobediência à qualquer tentativa de manipulação, usurpação e distorção dos princípios que regem a ONG BrOffice.org.

A partir do momento que esta se torna um instrumento de promoção de prestação de serviços, deixando de ser apoiadora da comunidade (inclusive votando contra a realização do Encontro Nacional BrOffice), ela perde o sentido de existir.

por Rui Ogawa

* fonte: Blog da Comunidade BrOffice


PSL-Brasil - BrOffice: Depoimento de um Japa – um caso de amor com a comunidade - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Carta Abierta a Dilma Rouseff por la Cultura Libre - Software Livre

Suggest an article
Carta Abierta a Dilma Rouseff por la Cultura LibreFebruary 22, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 205 times
 Go back to Comunidade

En respuesta a una convocatoria internacional surgida desde el Foro Social Mundial en Dakar, SOLAR Software Libre Argentina adhiere - junto a numerosas organizaciones internacionales, activistas, intelectuales y referentes de la cultura libre - a esta carta abierta a la presidenta de Brasil Dilma Rouseff. Transcribimos la carta e invitamos a sumar adhesiones en http://www.petitiononline.com/CSGFe...

http://www.solar.org.ar/IMG/rubon0.png

Carta abierta a Dilma Rouseff

Tenemos la esperanza de que el Ministerio de Cultura de Brasil (MinC) continuará su liderazgo en políticas públicas culturales inclusivas para el siglo 21. Brasil ha sido un pionero en este sentido, permítanos mencionar sólo algunos elementos que contribuyeron a que el mundo pusiera atención a las políticas culturales de su país.

  • el diálogo abierto entre el gobierno y la sociedad, que conforma una visión de la democracia que compartimos;

  • los puntos de cultura, el Foro de Cultura Digital, el Foro por los Medios Libres y otros proyectos que demostraron nuevas e innovadoras redes culturales adaptadas al siglo 21;

  • el apoyo y desarrollo de software libre y su adopción en instituciones públicas, que en definitiva ha estimulado un nuevo abordaje para la gestión de los recursos compartidos. La adopción de software libre en Brasil trasciende la esfera cultural y tiene una enorme relevancia, ya que es una de las pocas iniciativas a nivel mundial en promover los bienes comunes digitales como una estrategia de gobierno;

  • la adopción de modelos de licencias abiertas - como las licencias Creative Commons - por parte de las instituciones gubernamentales y las organizaciones culturales financiadas públicamente;

  • el liderazgo de Brasil para sumar otros países y ayudar en la implementación de la Agenda para el Desarrollo de la OMPI (Organización Mundial de la Propiedad Intelectual). Esta iniciativa contribuye a balancear el sistema de propiedad intelectual de acuerdo con los diferentes niveles de desarrollo y con las nuevas formas de producción cultural, asegurando acceso al conocimiento;

  • la promoción impulsada por Brasil sobre un debate más amplio en relación a las excepciones y limitaciones para las personas con discapacidades visuales en la OMPI, junto con otros países y con organizaciones de la Sociedad Civil internacional;

La apertura de Brasil hacia nuevos paradigmas de producción y diseminación de conocimiento. Su liderazgo ha sido crucial porque los paradigmas digitales abiertos serán de enorme influencia en la construcción de la cultura y los negocios del siglo 21;

La construcción del Marco Civil de Internet y el rechazo del ACTA (Anticounterfeiting Trade Agreement por sus sigla en Inglés).

Pero el tema contemporáneo más urgente en el que Brasil es pionero, es, sin embargo, la reforma de la ley de derechos de autor, que tiene como objetivo ayudar a creadores y artistas a expresar y distribuir su creatividad en un entorno legal menos restringido, para asegurar que la sociedad goce de un equilibrio de derechos en el acceso a conocimiento.

De acuerdo con la Lista de Vigilancia de Consumers International, la actual ley de derechos de autor de Brasil es una de las normas más estrictas en el mundo cuando se evalúa desde las perspectivas del acceso al conocimiento. La ley carece de muchas de las excepciones al derecho de autor que otros países tienen previstas en sus normativas y prohibe muchas de las conductas no comerciales más comunes (incluyendo la exhibición de películas para fines académicos, la copia de libros que están agotados y fuera de imprenta, el cambio de formato de contenidos digitales, tal como pasar la música de un CD a un MP3). La ley de derechos de autor de Brasil es más restrictiva, de hecho, que los tratados internacionales. A su vez, la ECAD, la gestora colectiva de Brasil, carece de transparencia y de una efectiva auditoría pública, a diferencia de lo que ocurre en muchos otros países en el mundo. Estamos convencidos de que los cambios propuestos en la ley de derechos de autores beneficiarán tanto a autores como ciudadanos.

Las deliberaciones públicas impulsadas por Brasil - debate público a lo largo de todo el país, complementado con una consulta pública oficial sostenida por el gobierno desde Internet - puede servir como un ejemplo de democracia. Pero esto sólo será sierto si los resultados de la consulta son realmente tenidos en consideración, como se prometió al principio del proceso. Esto es lo que la ciudadanía legítimamente espera de los gobiernos democráticos.

Estamos de acuerdo con nuestros colegas de Brasil, en que los resultados de un proceso abierto y democrático no pueden ser dejados de lado por la opinión de juristas o de alguna «comisión de notables».

Como numerosos académicos, juristas, organizaciones no lucrativas y de la sociedad civil, artistas y otros dijeron en su carta abierta a la Presidenta Rousseff y a la Ministra de Cultura Ana Buarque de Holanda el 28 de diciembre de 2010:

«Se ha progresado mucho en los años recientes. Y falta mucho por hacer. Un cambio en la dirección del Ministerio de Cultura significa perder todo ese trabajo logrado, así como perder una oportunidad histórica de Brasil, para liderar, tal como ha estado haciendo, esta discusión a nivel global, mostrando soluciones y alternativas innovadoras y racionales, sin tener miedo de tomar nuevos caminos, sin quedar atrapada en modelos promovidos por las industrias culturales de los Estados Unidos o Europa. »

Es importante destacar que existe una narrativa subyacente para todos estos nuevos caminos que Brasil tomó como políticas públicas de cultura: están inspirados en el reconocimiento pionero y abierto de que la cultura se hace en todas parte y por todas las personas, y que la cultura y la educación son derechos constitucionales y básicos. El tesoro más importante de Brasil es su enorme diversidad cultural. Un contingente de millones de nuevos creadores es parte de la fábrica cultural de Brasil. Esto es lo que nosotros llamamos emancipación.

Durante años, en incontables ensayos, análisis y artículos de blogs, hemos señalado a Brasil como un líder internacional, como un ejemplo de país comprometido en apoyar el acceso a conocimiento y en expandir su cultura democrática. La adopción por parte del Ministerio de Cultura de las licencias Creative Commons en 2003 fue realmente una de las más sólidas y admiradas muestras de tal liderazgo.

Nosotros, como parte de la comunidad internacional, estamos preocupados por los recientes y significativos cambios en la política cultural de Brasil, que se nota en una variedad de decisiones, entre las cuales figura la remoción de la licencia Creative Commons del sitio web del MinC. Aún así, mantenemos la esperanza de que el proceso para asegurar acceso al conocimiento por ley estará garantizado y que el diálogo para mantener una internet abierta, una cultura digital abierta y colaborativa, la expansión de los recursos educativos abiertos y la reforma de la ley de derechos de autor continuarán durante su administración.

Enviamos esta carta abierta para solicitar a la Presidente Rousseff que asegure que las políticas progresistas en materia cultural en Brasil tendrán continuidad y se expandirán, de modo tal que la sociedad civil brasileña sea escuchada y que Brasil siga siendo un ejemplo para el resto del mundo!

Mantenemos la profunda esperanza de que podremos seguir hablando de la política cultural de Brasil como la más progresista del mundo!

* fonte: Software Libre Argentina


PSL-Brasil - Carta Abierta a Dilma Rouseff por la Cultura Libre - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Mandriva Linux 2011 - Software Livre

Suggest an article
Mandriva Linux 2011February 22, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 184 times
 Go back to Comunidade

Mandriva Linux 2011 es un intento de la popular distribución GNU/Linux de salir al paso de los problemas financieros que han afectado durante 2010 a la compañía del mismo nombre y sobre la que se se apoya este proyecto.

alt

Entre las novedades que vamos a poder encontrar en la nueva Mandriva Linux 2011, actualmente en versión alpha 1, destaca kernel Linux 2.6.37, KDE SC 4.6.0, GNOME 2.32.1, XFCE 4.8.0, soporte para NetworkManager 0.8.2, GCC 4.5.2, OpenSSL 1.0. además de un buen número de paquetes actualizados.

Antes de la versión final prevista para el próximo 13 de junio tendremos la posibilidad de ir conociendo sus novedades y mejoras a través de un nuevo lanzamiento en fase alpha, dos versiones beta y una release candidate de Mandriva Linux 2011.

Interesados pueden acceder a la descarga de Mandriva Linux 2011wiki.mandriva.com.

Por su parte Mageia, ha anunciado la liberación de su primera versión alpha, nombre en código Cantine, gracias al trabajo de un grupo de antiguos desarrolladores de Mandriva,  con el que pretende asegurar la continuidad de la popular distribución GNU/Linux.

De las notas de lanzamiento de este fork de Mandriva conocemos poco más aparte de que el lanzamiento de esta versión inestable y no recomendada para entornos de producción es el resultado de cerca de dos meses de trabajo y que la versión final está prevista para el primero de junio de este 2011. alpha 1 desde.

* fonte: Grupo de Usuários de Tecnologias Libres - Cuba


PSL-Brasil - Mandriva Linux 2011 - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Python 3.2 chega com um lock melhorado para o interpretador global - Software Livre

Suggest an article
Python 3.2 chega com um lock melhorado para o interpretador globalFebruary 22, 2011, by Vitorio Furusho - One comment
Viewed 274 times
 Go back to Comunidade

Os desenvolvedores do Python lançaram o Python 3.2, a mais atual versão da linguagem Python. Não há mudanças sintáticas no Python 3.2 já que os desenvolvedores escolheram por implementar uma moratória, definida no PEP 3003, em mudanças de sintaxe em Novembro de 2009, depois que o Python 3.0 incorporou um grande número de mudanças na linguagem em 2008, incompatíveis com versões anteriores; a moratória acaba em Junho. O Python 3.2 é a primeira grande atualização desde o lançamento do Python 3.1 em Junho de 2009.

Uma das grande mudanças no Python 3.2 é um mecanismo melhorado para tratar o Global Interpreter Lock (GIL); a presença do lock tm um efeito em sistemas multi-núcleo onde aplicações multi-thread efetivamente usam apenas uma CPU. O altamente criticado GIL foi reescrito no Python 3.2 para prover maior previsibilidade e reduzir overhead e chamadas de sistema.

Saiba mais na fonte: http://www.h-online.com/open/n[...]-interpreter-lock-1193784.html

* fonte: NotíciasLinux.com.br


PSL-Brasil - Python 3.2 chega com um lock melhorado para o interpretador global - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Empresa abre inscrições para a segunda edição do Ranking de Cidades Digitais - Software Livre

Suggest an article
Empresa abre inscrições para a segunda edição do Ranking de Cidades Digitais February 23, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 168 times
 Go back to Empresas

Todos os municípios da América Latina podem se inscrever para a segunda edição da pesquisa, que visa conhecer o nível de digitalização das cidades da região. A primeira edição contou com a participação de 150 cidades de 15 países

A Motorola Solutions, Inc. (NYSE: MSI) anuncia o lançamento de uma nova edição do Ranking Motorola de Cidades Digitais da América Latina, edição 2011. O projeto abrange toda a região e visa conhecer o estado de digitalização dos municípios latino-americanos.

Todas as localidades que desejarem participar da pesquisa devem se inscrever até 30 de abril no link: http://cidadesdigitais.convergencia.com. O regulamento e as condições da pesquisa podem ser encontrados no site

Pontos importantes:
·  Na primeira etapa da pesquisa, elaborada pela Convergencia Research, serão analisados os níveis de digitalização na administração pública.
·  Os principais parâmetros para avaliar as cidades inscritas são a digitalização na área da saúde, educação, segurança, serviços públicos e a disponibilidade de banda larga sem fio.
·  Segundo os resultados da primeira etapa, 25 cidades finalistas serão selecionadas para participar da etapa final da pesquisa e fazer parte do ranking das cidades mais digitais da América Latina.
·  O primeiro Ranking Motorola de Cidades Digitais, realizado entre outubro de 2008 e novembro de 2009, contou com a participação de 150 cidades de 15 países da região.
·  São Paulo foi considerada a cidade mais digital da América Latina, seguida pelas mexicanas Mérida e Chihuahua, que empataram com a mesma pontuação, e pela argentina San Luis, que ficou em quarto lugar.

“A grande participação dos municípios da região na primeira edição do Ranking Motorola é um reflexo do crescente interesse que as cidades têm em sua digitalização. Como provedora líder mundial em soluções e serviços de comunicação de missão crítica para governos e empresas, estamos orgulhosos de que nossa pesquisa seja mais uma ferramenta de incentivo à criação de cidades digitais”, afirma Miguel Martinez Noguerol, VP corporativo e gerente-geral para a América Latina. 

Para baixar o livro com os resultados da primeira edição do Ranking Motorola de Cidades Digitais, clique em:
http://business.motorola.com/americalatina/rankingciudadesdigitales/brochure.html

* fonte: Rede Bom Dia


PSL-Brasil - Empresa abre inscrições para a segunda edição do Ranking de Cidades Digitais - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - A BrOffice Projeto Brasil: Convocatória para Assembleia Geral Ordinária de 2011 - Software Livre

Suggest an article
A BrOffice Projeto Brasil: Convocatória para Assembleia Geral Ordinária de 2011February 23, 2011, by Vitorio Furusho - One comment
Viewed 345 times
 Go back to Comunidade

A BrOffice.org – Projeto Brasil convoca os seus membros e demais interessados das comunidades de software livre a participar da Assembleia Geral Ordinária de 2011, a ser realizada no dia 17 de março de 2011, as 09:00 (horário de Brasília), com mais de 50% (cinquenta por cento) dos membros votantes ou, em não havendo quórum, as 09:30 com qualquer número de presentes, nas instalações da 4Linux, cito a Rua Teixeira da Silva, 660 - térreo, Paraíso, São Paulo - SP,

Broffice

para deliberar sobre os seguintes temas:

  • Prestação de contas das Atividades e Financeiro de 2010;

  • Prestação de contas do Conselho Fiscal de 2010;

  • Alinhamento dos objetivos institucionais da Associação;

  • Votação sobre manter a linha de prestação de serviços e convênios pela Associação;

  • Votação sobre a manutenção do status de OSCIP;

  • Eleição dos novos conselhos administrativo e fiscal;

  • Reforma estatutária;

  • Votação sobre a mudança da sede para adequar a gestão da Associação;

  • Votação, em caso de não alinhamento institucional, sobre a extinção da Associação e destinação de seus bens.

 

Internet, 22 de fevereiro de 2011
Claudio Ferreira Filho
Presidente da Associação BrOffice.org - Projeto Brasil

* fonte: Broffice


PSL-Brasil - A BrOffice Projeto Brasil: Convocatória para Assembleia Geral Ordinária de 2011 - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - The Document Foundation dá as boas vindas à contribuição da Canonical (Ubuntu) - Software Livre

Suggest an article
The Document Foundation dá as boas vindas à contribuição da Canonical (Ubuntu)February 23, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 117 times
 Go back to Comunidade

A The Document Foundation, mantenedora do LibreOffice (BrOffice), divulgou suas boas vindas à contribuição da Canonical ao desenvolvimento do aplicativo. A Fundação informa que a Canonical (Ubuntu) colocou um desenvolvedor para atuar em período integral no projeto.

Este desenvolvedor é Bjoern Michaelsen, que recentemente deixou a Oracle e é descrito como tendo conhecimento profundo de seu código. (via h-online.com)


PSL-Brasil - The Document Foundation dá as boas vindas à contribuição da Canonical (Ubuntu) - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Na The Document Foundation: Vocês são nossas verdadeiras estrelas! - Software Livre

Suggest an article
Na The Document Foundation: Vocês são nossas verdadeiras estrelas!February 24, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 122 times
 Go back to Comunidade

Sim, essas são palavras emocionadas, mas só queremos dizer: Vocês são nossas verdadeiras estrelas!

Em apenas uma semana, milhares de doadores de todo o mundo fizeram o inacreditável: Vocês todos doaram mais de 40.000 € para a criação da The Document Foundation como entidade jurídica. Honestamente, nós nunca sequer sonhamos que, em um período tão curto de tempo conseguiríamos - o que aconteceu é incrível, incrível e além da imaginação. Obrigado, obrigado, muito obrigado! Você contribuíram para o sonho de uma Fundação e com mais 10.000 € teremos o capital necessário, estamos perto de tornar isso uma realidade.

Está sendo fantástico, e vocês estão entre os heróis desta comunidade!

Talvez a coisa mais fascinante dessa aproximação de nossa meta de capital seja a diversidade de doadores individuais, cada um fazendo uma pequena doação, mas muito significativa para um futuro estável para o LibreOffice. Sem vocês, nós não poderíamos estar onde estamos agora, e o melhor é que não estamos dependentes de qualquer empresa ou doador único, que é uma grande força para a nossa comunidade.
Nosso empenho para os fundos irá até 21 de março, e esperamos por muito mais doações, que não só nos ajudarão a obter o capital social exigido de 50.000 €, mas também um orçamento inicial para a futura fundação. Nós gostaríamos de compartilhar algumas reflexões sobre os próximos passos com todos, bem como responder a algumas das perguntas mais freqeentes sobre a corrida para a obtenção de fundos e a criação da Fundação.

Libreoffice_initial-artwork-logo_colorlogobasic_2000px

Qual o valor que a The Document Foundation precisa?

São necessários 50.000 € são necessários para o capital social de uma Fundação com sede alemã. Todas as doações que recebemos serão utilizadas diretamente para o futuro orçamento da The Document Foundation.

O que você será feito com o dinheiro?

Criação e gestão de custos de uma Fundação. Agora, todo o trabalho é feito numa base de voluntariado, as pessoas gastam seu tempo livre e finais de semana para colaborar na Comunidade. No entanto, o trabalho voluntário não paga os custos recorrentes:

  • nomes de domínio (várias centenas de € por ano),
  • marcas (aproximadamente 10.000 €)
  • infraestrutura (cerca de € 400 por mês)

são apenas alguns exemplos de coisas que a Comunidade paga. Além disso, temos:

  • ausência de orçamento de marketing,
  • ausência de financiamento de viagens para os voluntários,
  • nenhuma opção de pré-financiamento de merchandising, DVDs ou folhetos,
  • ausência de orçamento para realização de feiras.

Algumas despesas administrativas, como questões legais e de impostos envolvendo profissionais são tão almejados quanto a obtenção de hardware e máquinas de teste para os desenvolvedores. Por exemplo, para compilar a versão para Mac, é usado um Mac de pequena capacidade ao invés de um computador rápido, porém mais caro. Também são necessários valores de para assegurar o futuro da Fundação.

Quais são os próximos passos?

Assim que tivermos disponível o capital social exigido - graças à nossas verdadeiras estrelas! - esperamos que muito brevemente, iremos trabalhar a criação legal da Fundação. Agora, os Estatutos da Comunidade estão sendo são traduzidos e ligeiramente adaptados para o direito alemão, para que possam ser controlados pelas autoridades locais. Além disso, iremos muito em breve começar a eleição formal dos órgãos e representantes.

Em que lugar da Alemanha a Fundação estará localizada?

Estamos atualmente investigando que estado alemão ("Bundesland") se encaixa melhor às estruturas da Fundação. Vários estados têm regulamentos diferentes para os diferentes tipos de fundação, por isso, queremos encontrar o local ideal para as nossas necessidades.

Quem realmente criou a Fundação?

No momento, nós encaramos OpenOffice.org Deutschland eV (mais tarde falaremos sobre essa associação) como o fundador da Fundação. Isto tem principalmente razões práticas, como todos os fundadores têm de cumprir com um cartório e assinar os documentos necessários junto. Ter um único fundador torna este processo muito mais fácil, mais rápido e menos dispendioso.

Quanto dinheiro possuímos, além do esforço para levantar fundos?

Desde o primeiro dia, a The Document Foundation teve abertura e transparência, por isso temos publicado o nosso orçamento e, claro, continuaremos fazendo isso no futuro. Os números atuais a partir do final de janeiro, a parte da corrida para os fundos, podem ser encontrados na lista de e-mail pública de marketing. Aproximadamente, recebemos cerca de 1.000 € em doações por mês antes da corrida pública para obtenção de fundos.

Posso pagar com cartão de crédito? Por que eu preciso PayPal?

Muitas pessoas perguntaram sobre como poderiam pagar a partir de países estrangeiros, ou como poderiam utilizar outros serviços. Agora, as doações são aceitas ou via PayPal ou através de transferência bancária para uma conta alemã. Estamos trabalhando para facilitar as doações. Agora, estamos trabalhando para estabelecer uma opção de pagamento para os EUA, e também estamos procurando alternativas, como pagamento via Amazon, Google Checkout, Flattr e outros. Serviços dedicados como Kickstart não estão disponíveis para nós no momento, por não termos nenhum representante legal dos EUA, mas também estamos trabalhando nisso. Em qualquer caso, não hesite em entrar em contato se você quiser fazer uma doação, e nenhuma das opções disponíveis lhe servir.

E a respeito do "OpenOffice.org Deutschland eV"?

O OpenOffice.org Deutschland e.V. é uma associação alemã sem fins lucrativos fundada em 2004, e é composto por membros do projeto a longo prazo. Em seus estatutos, afirma apoio ao software livre e open source, e especialmente a softwares livre e open source de produtividade de escritório. Ela suporta a The Document Foundation atuando como entidade jurídica provisória, recebendo doações e apoio financeiro. Vários membros do comitê diretor são também membros da diretoria do OpenOffice.org Deutschland eV. A associação, cujo nome pode mudar em breve, não deve ser confundida com outras associações alemãs que apoiam somente o OpenOffice.org.

Por que escolheu a Alemanha? Não há países com melhores condições?

Muitas pessoas perguntaram porque era necessário fundar a The Document Foundation na Alemanha, já que é exigido um valor de dinheiro tão alto. Ao contrário, países como o Reino Unido ou os Estados Unidos oferecem condições legais similares para iniciar uma fundação, sem exigir grandes investimentos em dinheiro. O comitê diretor, após uma completa investigação, decidiu em uma conferência pública via telefone que o local ideal da futura Fundação deveria ser preferenciamente na Alemanha, e somente se não for possível (que é provável que não ocorra problemas, graças à ajuda de nossas verdadeiras estrelas!), o Reino Unido seria uma alternativa. A Alemanha é a melhor escolha para a futura Fundação por causa de várias razões: não apenas por ser uma Fundação Alemã (“Stiftungen ") provendo segurança, estabilidade e confiabilidade, mas também a Alemanha tem um grande uso de software software livre e open source. As raízes do produto são desde os anos 1980; além da Alemanha fornecer benefícios quanto a impostos, impostos dedutíveis para doadores, e nos termos de atividade da Fundação, que não são limitados a um país específico. Mais importante, muitos dos membros da Comunidade que que estão dispostos a conduzir a Fundação são da Alemanha. Mesmo que outros países exigiram menos fundos para criar a entidade, se as pessoas do país em questão capazes da conduzir se ausentarem, haveria um custo mais elevado para constituir representantes e advogados. Apesar de tudo, mesmo em outros países, um aporte financeiro é exigido.

Se quer ficar na Alemanha, por que não uma associação ou entidade sem fins lucrativos?

Com certeza, a lei alemã prevê várias alternativas para entidades, como uma associação ou uma entidade sem fins lucrativos, como tantas que existem. No entanto, elas são menos seguras em termos de estabilidade: Em ambos os casos, a maioria dos sócios ou proprietários podem mudar a razão e a dedicação da entidade, em alguns casos, é até mesmo possível deixar de ser filantrópica. Em contrapartida, uma Fundação ("Stiftung") não pode alterar a sua razão e dedicação, proporcionando assim a estabilidade que estamos buscando não só para a nossa Comunidade, mas também para os nossos usuários.

E a respeito do apoio de grandes corporações?

Muitas das grandes corporações são a favor do LibreOffice e da The Document Foundation e emitiram declarações públicas de apoio. Algumas delas, como a Novell e a Red Hat, estão oferecendo uma grande quantidade de recursos na forma de desenvolvedores. Até agora, porém, a quantidade de grandes doações por grandes patrocinadores corporativos é bastante baixa. Para algumas empresas, investir no capital social da Fundação não é tão fácil como apoiar atividades diárias da Fundação, então esperamos um maior apoio em doações, assim que o capital social for levantado e a Fundação for criada.

Qual é o modelo de negócio?

Estamos investigando várias opções que devem nos ajudar a continuar a arrecadar dinheiro para a Fundação, para que possamos estabelecer um fundo para futuros desenvolvimentos e novos projetos. Detalhes sobre esse modelo de negócios serão disponibilizado em breve, mas primeiro precisamos nos aproximar de nosso objetivo de criar a Fundação.

Com quem posso falar em caso de dúvidas?

Fique à vontade para entrar em contato se você tiver alguma dúvida.
Obrigado por seu apoio e doação! É um prazer tê-lo conosco nesta emocionante viagem!

Texto original: http://blog.documentfoundation.org/2011/02/23/you-are-our-rockstars/

* Tradução por Eduardo Alexandre Gula

* fonte: www.broffice.org


PSL-Brasil - Na The Document Foundation: Vocês são nossas verdadeiras estrelas! - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Lançado o LibreOffice 3.3.1, com novos ícones - Software Livre

Suggest an article
Lançado o LibreOffice 3.3.1, com novos íconesFebruary 24, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 211 times
 Go back to Comunidade

The Document Foundation anuncia o LibreOffice 3.3.1, o primeiro micro-lançamento do pacote de escritório livre para produtividade pessoal, para melhorar a estabilidade do software e eliminar vários problemas que afetam as versões para Windows, Linux e MacOS X. O LibreOffice 3.3.1 também traz novos ícones coloridos baseados nas diretrizes da marca The Document Foundation, and inclui atualizações de vários pacotes de idiomas.

"O LibreOffice 3.3 foi nossa primeira versão estável, e o retorno dos usuários tem sido extremamente positivo," disse Thorsten Behrens, um dos desenvolvedores com um assento no Comitê Gestor. "Conseguimos solucionar um grande número de erros em um espaço muito curto de tempo, de forma a manter nosso cronograma de lançamentos. Haverá um outro lançamento dentro de um mês, antes da nossa segunda versão principal, no início de Maio."

Broffice

O LibreOffice 3.3.1 foi lançado apenas uma semana após o lançamento da campanha para arrecadar fundos para um capital de 50 mil Euros destinado ao estabelecimento da The Document Foundation na Alemanha. Um portal de notícias foi colocado na Internet em http://challenge.documentfoundation.org, onde você pode doar através do PayPal ou por transferência bancária.

Apenas uma semana após o lançamento, mais de 40 mil Euros já foram doados, chegando muito perto do objetivo final. Todos os fundos coletados a mais, antes da data final estabelecida em 21 de Março serão utilizados em despesas operacionais, como custos de infraestrutura e de registro de domínios e marcas, assim como despesas com marketing como fundos para viagens para palestras dos representantes da TDF em eventos, taxas para feiras de comércio, e financiamento de itens de propaganda, DVDs e material impresso.

No próximo fim de semana, voluntários da TDF nos EUA participarão, neste ano, do Festival do linux do Sul da California (SCALE) em Long Beach, CA, apresentando o LibreOffice 3.3.1 tanto para para Linux, Windows e MacOS no estande número 4 no Salão Internacional.

The Document Foundation está em http://documentfoundation.org, enquanto o LibreOffice está em http://www.libreoffice.org. O LibreOffice 3.3.1 está disponível já, para download na página: http://www.libreoffice.org/download/.

* Sobre The Document Foundation

The Document Foundation tem a missão de facilitar a evolução da Comunidade OOo para uma organização meritocrática nova, aberta e independente nos próximos meses. Como uma Fundação independente, ela representará melhor os valores de nossos membros, usuários e apoiadores, e permitirá uma comunidade mais efetiva, eficiente e transparente. TDF protegerá os investimentos já feitos pelas conquistas da última década, incentivará a participação maciça dentro da comunidade, e coordenará as atividades da comunidade.

* fonte: BrOffice.org

* Faça download da versão brasileira, BrOffice, clique aqui ...


PSL-Brasil - Lançado o LibreOffice 3.3.1, com novos ícones - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Brasília será cidade digital com interligação das redes federal e local - Software Livre

Suggest an article
Brasília será cidade digital com interligação das redes federal e local February 24, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 124 times
 Go back to Governos

http://softwarelivre.org/image_uploads/0003/1761/CidadesDigitais_big.png?1278417633O Ministério das Comunicações e o governo do Distrito Federal começaram a discutir a implantação de infraestrutura para fazer de Brasília uma cidade digital, com redes de fibras óticas cobrindo todo o DF e equipamentos sem fio para garantir acesso gratuito à internet em espaços públicos.

O primeiro passo será a interligação entre as redes já existentes dos governos federal – a Infovia Brasília, sob gestão da Telebrás e do Serpro – e a local, especialmente com fibras da Companhia Energética de Brasília, que já conecta órgãos da administração do DF.

“Vamos interligar as redes e, a partir daí, ver onde é necessário instalar mais fibras. Depois se verá a viabilidade da instalação de equipamentos Wi-Fi”, disse o presidente da Telebrás, Rogério Santanna, que participou da reunião com o ministro Paulo Bernardo e o governador Agnelo Queiroz – a estatal será responsável por encaminhar o processo de interligação das redes.

Ainda não está definido como será o compartilhamento dos custos envolvidos, mas o governador ouviu o exemplo do que foi feito na administração federal. “Lembramos que no caso da rede federal, o custo foi coberto, com sobras, pela economia nos contratos de telefonia”, disse Santanna. “O Distrito Federal pode fazer a mesma coisa”, completou.

Isso porque o governo federal utiliza a rede de fibras também para comunicação de voz, o que resultou em uma redução anual de aproximadamente R$ 18 milhões nos gastos com telefonia. Valor superior, portanto, ao que foi investido para a construção da Infovia, calculado em R$ 11 milhões.

No caso do DF, a redução de gastos pode ser ainda mais relevante. Só com a Brasil Telecom o governo da capital possui dois contratos de R$ 27,7 milhões – cada um. Ainda que não se tratem de contratos exclusivamente de voz, o impacto do uso de tecnologias como o VoIP nas ligações dos órgãos públicos seria relevante.

Como a infraestrutura existente será aproveitada, o governo do DF acredita que o resultado pode ser atingido rapidamente. “Temos condições de em dois anos ter um avanço extraordinário para fazer da capital do Brasil uma cidade digital”, afirmou o governador do Distrito Federal.

Paralelamente, DF e a administração federal querem que essa infraestrutura seja utilizada para a oferta de serviços de governo eletrônico. Para isso, outros ministérios serão convidados a participar das discussões sobre o uso da rede, assim como o governo da capital quer aproveitar os serviços de matrículas na rede de ensino ou de consultas na saúde pública.

:: Luís Osvaldo Grossmann
* fonte: Convergência Digital


PSL-Brasil - Brasília será cidade digital com interligação das redes federal e local - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Brasil tem 70 mil vagas de TI em aberto - Software Livre

Suggest an article
Brasil tem 70 mil vagas de TI em aberto February 24, 2011, by Vitorio Furusho - 2 comments
Viewed 290 times
 Go back to Empresas

Garantir o funcionamento dos sistemas de informática; gerenciar a manutenção e segurança das informações, dos servidores e dos equipamentos da rede; realizar a atualização do site, de softwares; assessorar no processo de aquisição dos equipamentos de informática; desenvolver softwares que sejam identificados como necessários para a empresa; controlar e avaliar os equipamentos e o desempenho da equipe, nos diversos níveis, por sistema, programa, turno de operação e tipo de equipamento e dar consultoria e treinamento são apenas algumas das funções do profissional de Tecnologia da Informação.

Apesar do bom salário, este profissional tem se tornado artigo raro no Brasil, o que explica as vagas neste setor estarem entre as dez mais difíceis de serem preenchidas. E os dados não param por aí. Segundo a Right Managment Consultoria, neste exato momento, mais de setenta mil brasileiros estariam empregados se tivessem formação em TI. E mais, em 2013, seriam duzentos mil.

Para Rodrigo Losina, diretor da Alfamídia Treinamentos, empresa especializada em capacitação profissional, o problema começa na extinção dos profissionais que se interessam por matemática, lógica, cálculo e exatas. “O Ministério da Educação divulgou que 70% dos jovens brasileiros preferem as humanas. Isso explica, em um primeiro momento, a raiz de toda a problemática”, explica.

Perguntado sobre o profissional ideal, Rodrigo diz ser difícil traçar um perfil, mas garante que, para trabalhar na área, o inglês é fundamental. “Preferencialmente, um domínio tanto de leitura quanto conversação. Além disso, o diploma é importante. Tendo condições de realizar uma faculdade na área, é recomendável. Pode não ser indispensável para conseguir um emprego, mas tende a ter um forte impacto em quanto você vai crescer na área ao longo do tempo. Entretanto, é bom estar bem seguro que esta é a área que você deseja atuar, antes de investir 2 ou 4 anos de estudo na mesma”, conta.

O empresário alerta também para a importância das certificações, “esses exames de fabricantes de software são relevantes para se destacar como um bom profissional. O domínio de determinadas ferramentas ou linguagens em um processo seletivo é, da mesma forma, importante e isto muitas vezes está mais vinculado à experiência prévia ou a cursos de especialização que a um diploma em si”, explica.

Finalizando, na área de TI provavelmente a continuidade dos estudos pesa mais que um currículo baseado em um elemento isolado. “Um profissional que demonstra, em seu portfólio, que está continuamente se reciclando e buscando novos aprendizados é um profissional que não se tornará ultrapassado no futuro, e, portanto, naturalmente será o mais cobiçado pelas empresas”, argumenta.

* fonte: Convergência Digital


PSL-Brasil - Brasil tem 70 mil vagas de TI em aberto - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Canela (RS) será modelo de cidade digital no Brasil - Software Livre

Suggest an article
Canela (RS) será modelo de cidade digital no Brasil February 24, 2011, by Vitorio Furusho - One comment
Viewed 204 times
 Go back to Governos

A cidade de Canela, na serra gaúcha, servirá de modelo para outros municípios do país a partir da inauguração de seu “Projeto Cidade Digital”, que irá contar com uma rede de alta velocidade, garantindo qualidade e disponibilidade para serviços de alto tráfego, capaz de suportar diversas tecnologias emergentes de voz, dados e vídeo sobre IP.

A construção da rede levou em conta as novas demandas que requeiram troca de informações em tempo real, como telemedicina, videoconferência, teleaulas, televigilância e outras aplicações em benefício da educação, saúde, transporte e segurança dos cidadãos.

Cidadesdigitais

O projeto, baseado em topologia de Alto Desempenho e Confiabilidade – ADC, foi desenvolvido pelas empresas Datacom, Parks, Visão Tecnologia, Telcon e Seal durante o ano de 2010 e contou com a parceria do Núcleo de Inclusão Digital do Governo Federal e Prefeitura de Canela.

Com 5 mil metros de cabos de fibras óticas implementados na geografia da cidade, a rede servirá de infraestrutura visando preparar os municípios para serviços de alta capacidade, qualidade e disponibilidade, levando modernização à administração pública e acesso de banda larga, com benefícios para toda a população.

Além do modelo tecnológico que está sendo inaugurado, o município também está lançando o projeto UCA do Governo Federal que prevê a distribuição de um computador por aluno na escola do Projeto Guri Legal, que está integrada na rede da Cidade Digital oferecendo acesso de banda larga aos alunos contemplados. Projeto será ativado no dia 1 de março.

* fonte: Convergência Digital


PSL-Brasil - Canela (RS) será modelo de cidade digital no Brasil - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - Provedores de Internet querem regras mais flexíveis da Telebrás - Software Livre

Suggest an article
Provedores de Internet querem regras mais flexíveis da Telebrás February 24, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 111 times
 Go back to Governos

Para sustentar os pleitos apresentados ao Ministério das Comunicações há um mês, pequenos provedores de acesso à internet produziram um estudo em que pedem mudanças nos critérios propostos pela Telebrás para a operacionalização do Plano Nacional de Banda Larga. De forma resumida, os provedores querem maior flexibilidade no limite de clientes por megabite e na margem de utilização da capacidade adquirida.

O trabalho foi realizado pela Associação Nacional para Inclusão Digital (Anid) e ouviu 65 pequenos provedores – considerados como tais aqueles com menos de 20 mil clientes, divididos em grupos de até 500, de 500 a 3 mil e de 3 mil a 20 mil clientes – nas cinco regiões do país, embora com certo destaque para o Nordeste, onde atuam 42% dos pesquisados.

O estudo, que a Anid já entregou ao Ministério das Comunicações, revela duas preocupações dos provedores em relação à forma como a Telebrás pretende atuar. Uma delas é a “regra” pela qual não será possível exceder 75% do circuito adquirido. Ou seja, caso um provedor compre link de 100 Mbps, ele precisa ampliar essa capacidade quando a utilização chegar a 75 Mbps.

A outra diz respeito ao número de clientes para cada megabit adquirido. A Telebrás defende que a proporção seja de 1 para 10 – portanto, 10 clientes para cada megabit – para garantir a qualidade das conexões. Os provedores gostariam que essa relação mudasse para algo como 1 para 20.

“A Telebrás propôs vender o Mbps por R$ 230, mas com a regra dos 75%, na prática é como se esse valor fosse de R$ 306. Já a proporção de 1 para 10 é muito relativa, porque a utilização varia muito e cresce à medida em que aumenta o número de consumidores. Entendemos que é possível fazer algo mais próximo de 1 para 20 sem que isso implique em perda de qualidade”, diz o presidente da Anid, Percival Henriques de Souza.

Essas e outras “regras” fazem parte da proposta da Telebrás para o relacionamento com os provedores e foi submetida a uma consulta pública, encerrada em 31 de janeiro – a estatal ainda está analisando as sugestões recebidas. Segundo o presidente da empresa, Rogério Santanna, elas tem o objetivo de preservar a qualidade do serviço aos usuários finais.

“São pontos que podem ser discutidos, mas que foram colocados por uma questão de qualidade. O que não queremos é que os consumidores passem pela mesma situação das ofertas das teles, que vendem uma determinada velocidade, mas nas letras miúdas só garantem 10% do que foi contratado”, explica Santanna.

Mas se o estudo pede algumas mudanças, também é verdade que em grande parte ele sustenta as premissas que justificaram a definição de um Plano Nacional de Banda Larga. A mais importante delas é que 56,25% dos provedores pesquisados indicam o preço do link como a maior dificuldade para a oferta do serviço.

A pesquisa realizada pela Anid identificou que o preço médio pago por Mbps é de R$ 530 para aqueles provedores que contratam até 30 Mbps, R$ 350 para conexões de 30 a 100 Mbps e R$ 290 para links acima de 100 Mbps. Mas se esses são valores médios, também existem realidades desanimadoras.

“É relevante destacar que provedores da região Norte pagam, em média, acima dos R$ 4 mil pelo Mbps contratado e comercializam um plano de acesso de 512 kbps acima de R$ 600”, destaca o estudo. Como consequência, alguns provedores cobram até R$ 100 por 512 kbps, “muito acima da faixa entre R$ 30 e R$ 35 que o governo federal quer atingir com o PNBL”.

Além do valor dos links, o estudo elenca outros componentes de custos dos provedores para a oferta de acesso à internet, como as despesas com boletos bancários – entre R$ 1 e R$ 3 para a maioria das empresas – a licença de SCM (R$ 9 mil) e as taxas anuais (Fistel).

A relação de pedidos também envolve a redução de impostos e taxas, acordos que facilitem aluguel de dutos e postes municipais para passagem de fibra ótica e linhas de crédito para infraestrutura com juros baixos e carência mínima de dois anos – com vistas a substituição das conexões de rádio por fibra.

As medidas são entendidas como instrumentos para garantir maior competitividade no mercado de oferta à internet – especialmente diante da disputa com as grandes operadoras. Não é por menos que o estudo destaca “a tendência à concentração dos mercados, mesmo no interior” e descreve a disparidade nas ofertas.

“Na medida em que avança a oferta de banda larga pelos provedores de telecom agregando valor ao seu serviço, mesmo através da prática de “venda casada”, com denominado triple play, os provedores SCM se sentem ameaçados e não podem competir em iguais condições essencialmente pela falta de capacidade de investimento em ativos estruturantes como torres, rádios de alta capacidade no backhaul e redes de fibra ótica para a última milha.”

por Luís Osvaldo Grossmann
* fonte: Convergência Digital


PSL-Brasil - Provedores de Internet querem regras mais flexíveis da Telebrás - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,

 







PSL-Brasil - PNBL: É mais do que hora de fazer acontecer - Software Livre

Suggest an article
PNBL: É mais do que hora de fazer acontecer February 24, 2011, by Vitorio Furusho - No comments yet
Viewed 122 times
 Go back to Governos

Quando em maio de 2010, o Governo Federal editou o Decreto 7.175, instituindo as diretrizes gerais do Plano Nacional de Banda Larga, podíamos acreditar que sabia quais seriam as estratégias que iria utilizar para democratizar o serviço de comunicações de dados no país. As medidas adotadas foram fortes e definitivas; a reativação da Telebrás ocorrida na mesma época é prova incontestável disto.

É curioso que naquela época, as concessionárias de telefonia fixa reclamaram muito, alegando que pretendiam participar do PNBL e que o papel a ser desempenhado pela Telebrás poderia ser desempenhado por elas, a ponto de ajuizarem ação contra os planos do Governo.

Em resposta, o Governo jogou firme: em agosto de 2010, divulgou a lista das 100 primeiras cidades que passariam a estar interligadas à rede da Telebrás, sendo que destas, em 97, as concessionárias já atuavam. A posição do Governo foi eficiente e se justificava, pois a reação imediata das teles foi reduzir o preço do acesso à internet tanto no varejo quanto no atacado.

Ou seja, ficou evidente que faltava atuação estatal que estimulasse a redução dos preços e melhoria da qualidade do serviço, fator essencial para ampliar o acesso ao serviço de comunicação de dados em condições adequadas. Ocorreu que, estranhamente e na contramão dos movimentos que vinha fazendo, o Comitê Gestor do Programa de Inclusão Digital – CGPID passou a atribuir às metas de backhaul, incluídas na proposta do próximo Plano Geral de Metas de Universalização – PGMU - correspondente aos contratos de concessão da telefonia fixa, cujo decreto está para ser editado, um papel fundamental para o PNBL.

Diante do fato de que as concessionárias reclamavam uma participação no PNBL, poderíamos supor que concordariam com as novas metas de universalização de expansão do backhaul (desde que se chegasse a um consenso sobre os custos para a implantação das metas). Mas não foi o que ocorreu.

Apesar de já terem aceitado implantar backhaul como obrigação relativa aos contratos de concessão de telefonia fixa, nos termos do Decreto 6.424∕2008, que estabeleceu a troca de metas de Postos de Serviços de Telecomunicações – PSTs pela implantação das redes de acesso à internet, agora as teles se insurgiram contra o plano e foram bater às portas da Justiça para questionar a legalidade do PGMU III. E as teles têm razão!

A implantação de redes de acesso à internet nunca poderia ter sido incluída como obrigação vinculada aos contratos de telefonia fixa, na medida em que não são essenciais nem necessárias para a prestação do serviço objeto dos contratos de concessão, gerando por isso custos injustificáveis a serem repassados para tarifa (art. 81, da Lei Geral de Telecomunicações – LGT) tornando a telefonia fixa inacessível para os cidadãos de baixa renda, violando os princípios da modicidade tarifária e universalização dos serviços públicos. Aliás, esta matéria já está judicializada desde maio de 2008 por iniciativa da PROTESTE – Associação de Consumidores, que moveu ação civil pública.

O impasse se colocou e o Governo condicionou a negociação relativa às obrigações de universalização da telefonia fixa à desistência pelas teles das ações que tinham na Justiça contra a Telebrás e o PGMU III. Ora, como poderia o Governo fazer queda de braços com as concessionárias utilizando algo ilegal?

A ameaça feita às concessionárias de edição do decreto com o novo PGMU III da telefonia fixa mantendo as metas de expansão do backhaul é inócua, não tem força, devido a precariedade decorrente de sua evidente ilegalidade, discutida há pelo menos dois anos pela sociedade.

E o que espera o Governo como contrapartida à rendição quanto às metas de expansão do backhaul? Pasmem: que as teles “sejam generosas” e façam propostas para a prestação do serviço de comunicação de dados, denominado de banda larga, em condições melhores de velocidade e preço no atacado e no varejo, levando o serviço à localidades que não lhes despertam interesse econômico, como vem sendo amplamente noticiado!

Pior, utilizando uma rede pública de alta capacidade, de âmbito nacional e internacional, também conhecida como rede de troncos que, segundo o artigo 207 da LGT, deveria estar sendo operada por uma concessionária específica desde 1998 (modelo “open reach”).

Cabe, então, perguntarmos: mas, quando o Governo lançou o PNBL, não pretendia justamente fazer frente ao poder significativo de mercado das concessionárias no provimento de acesso ao serviço de comunicação de dados?

Como agora quer colocar as redes essenciais para o provimento do serviço de acesso à internet nas mãos destas mesmas operadoras, sendo que este fator é preponderante para o sucesso do PNBL? Como pode o Governo, com a urgência que se impõem para a democratização dos serviços de telecomunicações, inclusive a comunicação de dados, estar ESPERANDO uma oferta melhor das teles?

O PNBL já foi editado e está em vigor. Agora, cabe ao Governo editar o regulamento geral dos serviços de telecomunicações, como determinam a Constituição Federal e a Lei 9.649∕1998, definindo, entre os demais serviços, o serviço de comunicação de dados (leia-se banda larga) e, em seguida, publicando o regulamento específico para sua exploração comercial, com parâmetros claros de qualidade e preço (ou tarifa, caso este serviço venha a ser incluído no regime público, como defendemos que seja feito, tendo em vista o que dispõe o § 2º, do art. 65, da LGT).

Esperar de empresas privadas, que já dominam os mercados e devem respostas aos seus acionistas a respeito de lucros, a iniciativa de compartilharem espontaneamente as redes públicas, que hoje detêm por força dos contratos de concessão, e as que estão por ser implantadas a preços módicos pode ser considerado, no mínimo, ingenuidade.

As chances de o Governo conseguir expandir a penetração do serviço de comunicação de dados para as regiões mais pobres do país em condições adequadas pelas mãos das concessionárias são mínimas por uma razão muito simples: não há instrumento de pressão.

Se o Governo pretende de fato levar adiante com algum sucesso o PNBL, vai ter de fazer a lição sozinho: fortalecer a Telebrás, criando uma subsidiária específica para operar as redes de troncos públicas, apropriadas indevidamente pelas concessionárias que as exploram em descompasso com o interesse público e regulamentar os serviços de comunicação de dados para então licitá-los, respeitando os princípios da moralidade, eficiência e da impessoalidade, a fim de estabelecer condições equilibradas para todos os agentes de mercado que se interessarem (não faltarão interessados, tenho certeza) pela sua exploração comercial, de acordo com o art. 37 da Constituição Federal.

Vamos lá companheiros! Como já nos dizia Geraldo Vandré: quem sabe faz a hora não espera acontecer!

por Por Flávia Lefèvre*
* fonte: Convergência Digital

* Flávia Lefèvre Guimarães é advogada e coordenadora da Frente dos Consumidores de Telecomunicações e consultora da associação Pro Teste



PSL-Brasil - PNBL: É mais do que hora de fazer acontecer - Software Livre

 



 

Technorati Marcas: : , , , , ,

 

 

BlogBlogs Marcas: : , , , , ,